ANAC autoriza delivery por drones em todo o Brasil

3 min. de leitura

Publicado por: Comunicação Frente Digital

Em vez de ler, gostaria de ouvir o artigo? Use o player abaixo.

Em parceria com a Speedbird Aero, o iFood poderá realizar entregas de delivery com o uso de Aeronave Remotamente Pilotada (ARP). A autorização para uso diário comercial recebida pela Agência Nacional de Aviação Civil é inédita e a primeira das Américas.

Foto do site Convergência Digital mostra como seria a entrega por drones / Foto: reprodução

Há dois anos, o projeto foi realizado de forma pioneira em período de testes de viabilidade em diferentes regiões e contextos, com o Certificado de Autorização para Voo Experimental (Cave). Esse período comprovou a possibilidade de operar drones com o propósito de entregas e, com isso, obter o essa Autorização que habilita a RPA (Aeronave Remotamente Pilotada) no modelo DLV-1 NEO, fabricada pela Speedbird Aero, a operar comercialmente em rotas BVLOS (Beyond Visual Line of Sight, em inglês), ou seja, além da linha de visada visual do piloto.

A conquista é considerada um marco na aviação do País, e também para o segmento do delivery, pois torna uma realidade o transporte de alimentos e outros produtos de maneira regular e escalável. “Esse é um marco histórico na aviação, mas também no desenvolvimento da sociedade. É o início de uma mudança que traz novas maneiras e agilizará as entregas em diferentes contextos ao colocarmos o uso de um modal aéreo em parte de uma rota de entrega”, diz Fernando Martins, head de logística e inovação no iFood.

“Os drones complementam a entrega realizada pelos entregadores em parte do percurso, com a retirada do pedido em um droneport”, adiciona o gestor. O drone poderá realizar entregas com cargas de até 2,5 quilos em um raio de 3 quilômetros, inclusive em ambientes urbanos, mantendo margens de segurança estabelecidas no projeto.

O CEO e cofundador da Speedbird Aero, Manoel Coelho, acredita que, com o avanço da logística aérea não tripulada, as perspectivas de entrega se abrem para a ampliação do uso do equipamento. “A diminuição dos tempos de entrega, a redução de custos e das emissões de poluentes, e otimização do tráfego terrestre são apenas alguns dos benefícios dessa atividade inovadora, que decola hoje no Brasil com a autorização concedida pela ANAC ao DLV-1 NEO”, finaliza Manoel.

Fonte: Convergência Digital

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on email
Email
Share on whatsapp
WhatsApp

DEIXE UM COMENTÁRIO

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.